Artur CarNAvalha Gumes - Afora a TropicanAlice Metaforas à Parte soy de Campos soy Canalha


25/08/2006


Tempo e Artista

 

Imagino o artista num anfiteatro
Onde o tempo é a grande estrela
Vejo o tempo obrar a sua arte
Tendo o mesmo artista como tela

Modelando o artista ao seu feitio
O tempo, com seu lápis impreciso
Põe-lhe rugas ao redor da boca
Como contrapesos de um sorriso

Já vestindo a pele do artista
O tempo arrebata-lhe a garganta
O velho cantor subindo ao palco
Apenas abre a voz, e o tempo canta

Dança o tempo sem cessar, montando
O dorso do exausto bailarino
Trêmulo, o ator recita um drama
Que ainda está por ser escrito

No anfiteatro, sob o céu de estrelas
Um concerto eu imagino
Onde, num relance, o tempo alcance a glória
E o artista, o infinito

 

Chico Buarque

um presente da minha amiga Aucilene Freitas

Escrito por artur gomes às 17h42
[ ] [ envie esta mensagem ]

 

Eu-pedra hoje
parada na beira de mim mesma
contemplando meu mar inquieto e bravo
estática como suas pedras
mas pedra única num vasto gramado raso verde
podes ver?
e sem palavras, pedra-muda, pedra que pede pra mudar
que pede pela incapacidade de se mover sozinha
e continua intacta e virgem de palavras guardadas
uma pedra só escuta na hora em que lhe falam
ela não pode guardar segredos dentro dela,
porque nada a transpassa e ela continua com a mesma cara
cara-de-pedra-ambulante.
a pedra-coração só é músculo quando só seu lado esquerdo no gramado brota uma flor

 

Carolina Gonzalez

Escrito por artur gomes às 17h22
[ ] [ envie esta mensagem ]

alex sauer - movimento InVerso - Barteliê/2006

Escrito por artur gomes às 14h51
[ ] [ envie esta mensagem ]

é muito claro
amor
bateu
para ficar
nesta varanda descoberta
a anoitecer sobre a cidade
em construção
sobre a pequena constrição
no teu peito
angústia de felicidade
luzes de automóveis
riscando o tempo
canteiros de obras
em repouso
recuo súbito da trama

Ana Cristina César

 

Escrito por artur gomes às 14h49
[ ] [ envie esta mensagem ]

isabela figueiredo - dando uma canja poética - movimento InVerso - Barteliê/2006

Escrito por artur gomes às 14h38
[ ] [ envie esta mensagem ]

perfeita

vida perfeita
feita de sonhos,
feita de fins
que são começos
a fim de vir
e vir a ser
novos sonhos

vida conjugal
vida conjugada
tempo presente
verbo amar

vida perfeita
é ter sua musa
como esposa,
sua esposa poetisa,
ter sua filha poesia
e ter a arte
como amante.


by Rodrigo Mebs

 

Escrito por artur gomes às 14h36
[ ] [ envie esta mensagem ]

alex sauer e seu sapo bufão no movimento InVerso - Barteliê/2006

Escrito por artur gomes às 14h31
[ ] [ envie esta mensagem ]

CABEÇA

Multidão de cabeças
Pancada bruta
Cisma em fragmentos dalma
Solidão de corpo
Um mar inerte em ruas
Carne crua carcaças
Cavernas em estruturas edifícios
Cárceres do pensamento
O corpo sem cabeça ri
Muscular lucidez
A cabeça sem corpo chora
A reclusão perpétua

 

Marko Andrade

Escrito por artur gomes às 14h30
[ ] [ envie esta mensagem ]

claudia saba - comandando mais uma edição do movimento InVerso - Barteliê/2006

Escrito por artur gomes às 14h16
[ ] [ envie esta mensagem ]

artur gomes, marko andrade, filipe buchaul - samba elétric poesia - movimento InVerso - 18/08/2006

Escrito por artur gomes às 14h14
[ ] [ envie esta mensagem ]

Que este amor não me cegue nem me siga.
E de mim mesma nunca se aperceba.
Que me exclua do estar sendo perseguida
E do tormento
De só por ele me saber estar sendo.
Que o olhar não se perca nas tulipas
Pois formas tão perfeitas de beleza
Vêm do fulgor das trevas.
E o meu Senhor habita o rutilante escuro
De um suposto de heras em alto muro.

Que este amor só me faça descontente
E farta de fadigas. E de fragilidades tantas
Eu me faça pequena. E diminuta e tenra
Como só soem ser aranhas e formigas.

Que este amor só me veja de partida

Hilda Hilst

Escrito por artur gomes às 14h13
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web:

Histórico