Artur CarNAvalha Gumes - Afora a TropicanAlice Metaforas à Parte soy de Campos soy Canalha


05/08/2006


beira rio - campos dos goytacazes

Escrito por artur gomes às 10h52
[ ] [ envie esta mensagem ]

MOTIVO

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem triste:
Sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
Não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada."

Cecília Meireles

Escrito por artur gomes às 10h51
[ ] [ envie esta mensagem ]

03/08/2006


parque do flamengo  rio de janeiro em dia nublado

 

Se um simples verso valesse uma moeda ,
qual seria o valor do poema,
do livro , da língua ...
poética linguagem desse rico poeta ?? !!!

Poesia nao tem valor de mercado ...
Poesia nao se compra ...
nao se vende...

Uns dizem que é coisa barata ...
outros sabem ...que é dádiva !!! ,

 

Inalienável !!!

 

Andrea Paola

Escrito por artur gomes às 21h10
[ ] [ envie esta mensagem ]

02/08/2006


 

Inverno

Cantarei sem rendição poesia
Para meninos bomba
Que pastam caças no céu de Beirute
Regaremos juntos pétalas, néctar e chamas,
Em gestos meninas sobre a luz de cometas.
Um dia toda comunidade navio Tel-Aviv- Teerã
Voaremos borboleta em bando estrada
Rompendo vales faixas limites,
E adoçaremos mundo amargo umbigo
Corpo, gente, chão.
E ao inverno cru os poetas proclamam o fim


MARKO ANDRADE

Escrito por artur gomes às 17h22
[ ] [ envie esta mensagem ]

julinha linda diniz e outras meninas que serão sempre meninas

Escrito por artur gomes às 14h17
[ ] [ envie esta mensagem ]

01/08/2006


anjo torto

 

meninas para mim

serão sempre meninas

jóia rara coisa fina

cássia eller zélia duncan

marisa monte ana carolina

adriana calcanhoto

 

não sou mário sá carneiro

nem nasci em fevereiro

eu sou eu não sou  o outro

não sou pilar da ponte de tédio

mas posso ser o intermédio

pra amenizar teu desconforto

 

não há fórmula nem remédio

eu sou mesmo o anjo torto

 

artur gomes

http://arturgomes.zip.net

Escrito por artur gomes às 16h20
[ ] [ envie esta mensagem ]

Escrito por artur gomes às 12h10
[ ] [ envie esta mensagem ]

cores: luz

 

percebo flores pelo chão

por onde passo

seja leblon arpoador ou ipanema

senegal nova nigéria

quintal da minha casa

makondo cacomonga de onde vim

pomar de frutas lagoa mar

bebo nas águas onde rio

seja qual for a estação

é sempre luz em santa clara

como este nome

afro tupi em minha língua

copacabana araribóia

baía de guanabara

 

artur gomes

http://fulinaimicamente.zip.net

 


Escrito por artur gomes às 12h09
[ ] [ envie esta mensagem ]

31/07/2006


Escrito por artur gomes às 09h30
[ ] [ envie esta mensagem ]

pátria a(r)mada

 

só me queira assim caçado

mestiço vadio latino

leão feroz cão danado

perturbando o seu destino

 

só me queira enfeitiçado

veloz macio felino

em couro cru depravado

em tua cama sol à pino

 

só em queira encapetado

profanando àqueles hinos

malando moleque safado

depravando os teus meninos

 

só me queira desalmado

cão algoz e assassino

duplamente descarado

quando escrevo e não assino

 

artur gomes

in couro cru& carne viva

http://balckbilly.blogspot.com

 

Escrito por artur gomes às 09h29
[ ] [ envie esta mensagem ]

30/07/2006


retalhos imortais do serAfim - oswald de andrade nada sabia de mim

Escrito por artur gomes às 11h14
[ ] [ envie esta mensagem ]

froydiana

 

sil. Vinha

azul são os teus olhos

a cor dos pêlos não conheço

teus seios

ainda não toquei

 

dracena é uma terra roxa

nave extra/terrena

que humanos não decifraram

pequena vagina virgem

onde os dedos ainda não entraram

 

e os cachos de uvas

apodrecem entre os teus dentes

com um cheiro de leite ardente

esguichando na distância

 

arturgomes

http://arturgomes.zip.net

Escrito por artur gomes às 10h30
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web:

Histórico